Falhas na armação agravam crise da UDN

24/06/2010

O Presidente de Nascença vai liderar o time da UDN rumo à vitória, apesar das dificuldades.

O Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro presidente Zezinho, tem uma vida muito fácil em sua campanha vitoriosa. Todas as pesquisas pressagiam um desempenho espetacular nas vindouras eleições. Não há muito o que fazer, pois o coração do eleitorado já está conquistado.

Por isso, o Presidente de Nascença tem podido dedicar-se a outra nobre tarefa: ser o capitão do time da UDN, que vai jogar contra o Brasil.  Toda sua capacidade de liderança certamente vai resolver os problemas da equipe udenista, que não são poucos.

Como a UDN é o time queridinho da imprensa, até agora a crise não era noticiada e parecia que tudo ia bem. Entretanto, não é mais possível esconder uma série de dificuldades.

Sen. Branco Dias (UDN-PR) é cotado para ser o vice-capitão, mas preferia brincar de amarelinha a jogar futebol, quando criança.

Sen. Branco Dias (UDN-PR) é cotado para ser o vice-capitão, mas gostava mais de brincar de amarelinha que de jogar futebol, quando criança.

O especialista em armação, Eduardo G. Zeppelin, muito hábil para enganar os adversários, tem falhado nas suas jogadas, cada vez mais previsíveis. Como os adversários passaram a desarmá-lo com facilidade, Eduardo G. tem jogado de maneira muito truculenta, contando com a complacência dos juízes e seus auxiliares. É tão protegido pela arbitragem que recentemente cometeu uma falta grave e o juiz mandou expulsar a torcida porque esta se manifestou.

O capitão do time, o futuro presidente Zezinho, é acusado de ser um jogador fominha. Quer centralizar todas as jogadas e fazer os gols sozinho. Nem sempre ouve as instruções do técnico e exige a saída dos companheiros que criticam seus erros. Também tem impedido jornalistas que o criticam de fazer a cobertura do time.

O Cachorro-Lagosta corre em busca do lugar de vice-capitao do time da UDN.

Por causa do capitão, o time tem jogado com um a menos, pois ele não decide quem será o vice-capitão. Pior, os candidatos mais cotados parece que nunca foram muito chegados a bater uma bola, desde crianças. Por fora corre o Cachorro-Lagosta, que, apesar de fominha, tem a vantagem de estar sempre disposto a correr atrás da bola, ainda que só tenha treinado com bolinhas de tênis.

Muitos jogadores têm sido acusados de pipoqueiros, não dando combate aos adversários adequadamente. Até um dos craques da equipe, o meia Tancredinho Mineiro, é acusado de fazer corpo mole porque não foi escolhido capitão do time.

Quadrilha: o time da UDN tem deixado de treinar porque prefere participar das festas juninas.

Também o time feminino da UDN enfrenta problemas. A capitã Soninha Copélia tem sido acusada de não se dedicar aos jogos oficiais, preferindo jogar pelada. Klaudia Abreu insiste no drible da vaca, o que exige muito espaço e a faz adotar um estilo muito violento. Ymelda Cruzes caiu em descrédito junto à torcida e a imprensa. Apesar de muito eficiente para roubar e receber bolas e para matar jogadas, não faz gols e vive brigando com os torcedores.

O comentarista esportivo Merdoval Pedreira, no entanto, diz que as notícias de crise na UDN são completamente descabidas.

Comentário da tia Carmela

O Zezinho nunca soube jogar sem brigar. Ele acabava ficando nervoso quando o time dele começava a perder e desandava a bater nos outros meninos. Às vezes, batia até no time dele…


UDN tem problemas para jogo decisivo contra o Brasil

23/06/2010

Uma das razões da crise da UDN é que o capitão do time é um cabeçudo.

O Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro presidente Zezinho, precisará usar toda a sua enorme capacidade de liderança agregadora para conduzir o time da UDN a uma vitória no jogo decisivo contra o Brasil.

Como acontece a cada 4 anos, o Brasil enfrentará mais uma vez a UDN. Ao contrário do passado, no entanto, quem está mais confiante agora é o time brasileiro, que acelera em direção ao tricampeonato.

A outrora garbosa UDN vem amargando sucessivas derrotas. Apesar de ser o time queridinho da imprensa, já não consegue mais esconder sua crise, motivada pelas frequentes falhas na armação.

UDN perde torcedores

Fontes que não quiseram se identificar revelaram que há vários problemas no time. Um deles está no técnico.

O treinador da equipe, o ex-craque FHC, capitão nas conquistas de 1994 e 1998, tem sido hostilizado por dirigentes e jogadores. Apesar de ainda ser considerado o maior estrategista da UDN, recebe críticas por suas constantes declarações à imprensa ofensivas aos torcedores do Brasil. Segundo muitos udenistas, as manifestações do ex-pensador só servem para motivar mais os adversários. Suas jogadas também dão mostras de estarem obsoletas.

Outro problema é o posicionamento. O time da UDN sempre concentrou seu jogo pelo lado direito do campo, o que é natural, pois a maioria dos seus jogadores só sabe jogar pela direita. Mesmo os jogadores que atuavam em outras equipes mais pelo lado esquerdo do campo, como o próprio capitão do time, o futuro presidente Zezinho, passam a jogar pela direita quando contratados a peso de ouro pela UDN.

Quadrilha: a UDN está melhor entrosada para as festas juninas do que para a copa.

Uma das explicações pode estar na torcida. Muito tradicional, a massa udenista apega-se a superstições e hábitos do passado. Um dos hábitos da torcida da UDN é que ela senta-se sempre do lado direito do campo. O capitão do time, o Presidente de Nascença, acaba levando a equipe cada vez mais para a direita, para agradar a torcida.

Essa obsessão por cultuar o passado é uma das causas que explica porque a torcida udenista diminui a cada dia.  Como o Botafogo, apesar de dominar a imprensa a UDN não tem conseguido arregimentar novos torcedores e tem perdido alguns antigos apoiadores. A imprensa especializada passa o tempo a louvar as glórias passadas da UDN e a mostrar estatísticas complexas de campeonatos do século passado. Esse expediente não é suficiente para amealhar novos torcedores. Segundo um famoso torcedor do time do Brasil, o sr. Joãozinho, “povo gosta é de gol; quem gosta de estatística é intelectual”.

Comentário da tia Carmela

Quando era criança, lá na Mooca, uma vez o Zezinho participou de um campeonato de futebol da escola. O time dele era muito ruim. O Zezinho mandou o Reinaldinho Cabeção fazer uns cartazes e espalhar pela escola que o time dele era o melhor do campeonato. Um monte de gente acreditou e foi para o jogo torcer para o time do Zezinho. Quando o jogo começou e eles viram como o time do Zezinho era ruim, todo mundo começou a vaiar. O Zezinho perdeu o jogo e ficou furioso…


Copa: UDN joga contra o Brasil, sob a liderança do pres. Zezinho

19/06/2010

O time da UDN posou com a musa Ymelda Cruzes para a foto oficial.

O mais preparado dos brasileiros, o futuro presidente Zezinho, além de vencer a eleição que se avizinha, também liderará o time da UDN em um clássico mundial: UDN x Brasil.

Mais uma vez, como tem acontecido a cada 4 anos, a UDN vai jogar contra o Brasil. Nas últimas vezes, o resultado foi favorável ao Brasil, mas a UDN não desiste.

Sob a liderança do Presidente de Nascença, que atua como capitão da equipe, os udenistas têm grandes esperanças de reconquistar a primazia que tiveram no passado, quando dominavam o Brasil em todas as disputas.

O time do Brasil está muito motivado para a partida, e conta com o apoio da maioria da torcida da geral e arquibancadas. Já o time da UDN é o queridinho da imprensa e dos torcedores dos camarotes e numeradas.

O comentarista esportivo Dioguinho está apostando no time da UDN: futebol é esporte pra macho!

Esperanças

Apesar dos palpites contrários dos especialistas, o time e a torcida da UDN seguem com muitas esperanças de vitória.

Além da força da pequena porém aguerrida torcida, que realmente cobra e empurra o time, a UDN tem alguns outros trunfos.

Destaque da armação do time, Daniel Mendes é um hábil passador de bola, além de ser muito ágil e sempre ser capaz de escapar da perseguição dos adversários. É praticamente impossível pegá-lo.

Até hoje, apenas um beque do time do Brasil conseguiu marcá-lo: o zagueiro Delegado. Mas passou a sofrer perseguição da imprensa e da arbitragem, e não conseguiu se manter no time brasileiro. Delegado foi afastado e punido por faltas que não fez.

O time da UDN não brinca em serviço.

Apesar de colecionar problemas com a arbitragem, muitos dizem que Daniel Mendes é protegido por ela. Há algum tempo, chegou a ser expulso de um jogo contra o Brasil pelo árbitro Fausto, que o mandou mais cedo para o vestiário. Imediatamente o presidente da comissão de arbitragem, Gilmar Dantas, cancelou sua punição e mandou abrir a porta do vestiário para ele voltar ao jogo e continuar a passar a bola. E o árbitro Fausto quase foi afastado.

Da mesma forma que não tem dificuldades em passar a bola, graças ao talento de Daniel Mendes, o time da UDN tem como ponto forte a recepção de bola. Neste fundamento, muitos atletas do time demonstram enorme capacidade. Sempre estão prontos e se apresentam para receber a bola, de onde quer que venha. Às vezes, o problema do passador é escolher para quem passar a bola, pois sempre há vários udenistas pedindo bola em toda a parte.

Na hora de roubar a bola, a UDN não perdoa ninguém.

Assim como são bons para receber a bola, os udenistas são bons para carregá-la. Sempre surpreendem o mundo por seu talento em esconder a bola dos adversários e levá-la aonde querem. Alguns especialistas dizem que isso se deve às sofisticadas técnicas de treinamento inventadas pelo aposentado craque da UDN Demoarrudinha, que teria inventando o treino com panetone. Infelizmente Demoarrudinha interrompeu sua carreira precocemente, depois de ter tido uma revelação durante um retiro espiritual no Convento da Papuda.

Também na defesa os udenistas tém muita esperança. Apesar de truculenta, a defesa da UDN tem muitos ladrões de bola, sempre prontos para roubá-la do adversário. Não é sem razão que as estatísticas mostram a UDN como o time que tem os maiores ladrões de bola. Entretanto, o técnico do time, o ex-pensador FHC, tem pouca criatividade, insistindo em repetir táticas e jogadas dos anos anteriores, que já não têm o mesmo efeito nem impressionam a torcida.

Quadrilha: os jogadores da UDN gostam de fazer a dancinha da quadrilha para comemorar os gols.

Palpites

Especialistas prevêem que o jogo Brasil x UDN deverá terminar o primeiro tempo com o placar de 4 a 3 para o Brasil, e o resultado final deverá ser 6 a 4 para o time brasileiro. Outros dão palpite de que o Brasil vencerá por 7 a 3. Nos dois últimos confrontos, o Brasil venceu por 6 a 4.

Comentário da tia Carmela

O Zezinho só gostava de jogar futebol para ser o capitão do time. Quando não era o capitão, ele brigava com os meninos do time, fazia gol contra ou ia para casa jogar sozinho. E, quando era o capitão, pegava a bola e não passava para ninguém. Queria fazer gol sozinho e mandava os outros só passarem a bola pra ele. Além de não deixar jogar quem não passasse a bola pra ele…