Robanel: Sarkozy avisou Serra sobre risco de desabamento

21/11/2009

Antes da estada na romântica e inspiradora Istambul, o mais recente périplo europeu do Presidente de Nascença  iniciou-se com uma passagem por Paris. Na Cidade-Luz dedicou-se às tarefas de estadista. Reuniu-se com o presidente da OCDE para dar-lhe algumas lições sobre como presidir uma organização internacional. Depois, encontrou-se com o presidente francês, Nicolas Sarkozy.

No encontro com Sarkozy o Suprassumo da Política Nacional repreendeu o gaulês pelos recentes acordos assinados com o governo brasileiro.   O Grande Governador Paulista disse ao dono do Ideafix que decisões dessa complexidade comprometem o país por décadas e ele, na condição de Futuro Maior Presidente do Brasil, deveria ser consultado e dar a palavra final. Sarkozy desculpou-se, de joelhos.

Sarkozy presenteou Zezinho com manual de prevenção de catástrofes

Outro ponto do encontro entre os dois grandes homens públicos foi a prevenção de desastres.  O presidente francês mostrou-se preocupado com o atraso das obras do Metrô de SP por conta do desabamento do túnel em Pinheiros, em 2007. Sarkozy suplicou ao Governandor-Presidente mais celeridade nas obras para que os trens da Alstom possam ser vendidos mais rapidamente. Como gesto de cortesia, entregou  a Serra um estudo apontando risco de desabamento  nas obras do Roboanel. O estudo foi elaborado pelo tradicional  Departamento  de Prevenção da Queda do Céu Sobre Nossas Cabeças, órgão do governo francês, criado durante o  governo de Abracurcix.  Apesar do mal-estar causado, o Mais Corajoso dos Políticos Nacionais conteve a irritação pela audácia e, polidamente, disse que tudo estava dentro da mais moderna técnica de construção civil, e que ele mesmo, como grande engenheiro que é, revisara os projetos.  Também disse que S. Paulo não devia nada em termos de prevenção de catástrofes a nenhum governo do mundo, graças aos serviços mediúnicos da Fundação Cacique Cobra Coral, por ele contratados para a tomada de decisões estratégicas. Ofereceu a Sarkozy um folheto de propaganda da prestigiosa entidade, dizendo: você devia contratá-los, também.

A nota triste do encontro foi a ausência de Carla Bruni. Fontes do Elisé que pediram anonimato informaram que Sarkozy confundiu Serra com FHC e por isso impediu sua consorte de participar do encontro.

Zezinho estava muito à vontade entre os dignatários franceses: "senti-me como o Fernando Henrique".

Serra também aproveitou a viagem à França para receber o Prêmio Alstrom, conferido a governantes de ética e capacidade inquestionáveis. Zezinho foi escolhido por um comitê de seleção de alto nível, composto por um dos sobrinhos de Roberto Marinho, Robson; pelo gerente de vendas da Alstrom, Gaston Mellieure; pela benfeitora da infância Deisi Kusztra; pela economista Miriam Cochonne; pela jornalista Francine de L’Herbe e por  Diogo M., importante intelectual novaiorquino.

Comentário da Tia Carmela:
Desde quando o Zezinho ouve algum aviso que dão a ele? Uma vez, quando ele era criança lá na Móoca, inventou de fazer uma cabana no quintal de casa, para ter um esconderijo secreto para brincar de conspiração com o Reinaldinho Cabeção. Arrumou um monte de caixotes e fez o Reinaldinho e uns outros meninos desmontá-los e, com a madeira, construir a tal cabana. O Zezinho só ficava dando ordens, dizendo que era o engenheiro da obra. O pai dele olhava aquilo e dizia: Zezinho, isso aí vai cair, não tem sustentação. Os meninos também falavam que ia cair. Mas o Zezinho dizia apenas: “eu sou o engenheiro aqui; trabalhem rápido que quero brincar de conspiração ainda hoje”. Quando estava quase pronta, a cabana desmoronou na cabeça do Reinaldinho. Que ainda levou umas bolachas do Zezinho por não ter trabalhado direito…

Pres. Zezinho ganha Nobéu de Economia

18/10/2009

O Supremo Economista da Nação já andava enciumado com o Premio Nobel da Paz dado a Barack Obama e os comentários da mídia internacional de que Lula merecia mais o prêmio que  seu colega dos EUA.  Agora, com a outorga do Prêmio Chatham House ao usurpador da cadeira que lhe é devida por direito divino, o Maior dos Presidentes que o Brasil Poderia Ter resolveu agir. Já encomendou um Prêmio Nobel de Economia só pra ele.

O Grande Economista Pátrio convocou sua assessora especial para premiações internacionais,  Deisi Kusztra, para o serviço. Dona Deisi notabilizou-se pelo envolvimento em denúncias de desvios de recursos para as criancinhas e por ser a responsável pela indicação do ilustre John Mainard Smith dos Novos Tempos à premiação de uma organização chamada OMF que foi divulgada como integrante da ONU, equivocadamente.  Informada de que não seria possível a outorga do Prêmio pela Fundação Nobel, dona Deisi usou de toda a sua e seu trânsito internacional para criar o Instituto Nobéu, com sede no bairro da Lapa, em São Paulo. Foram convidados para conselheiros do Instituto Nobéu e júri do prêmio os grandes especialistas em economia C. Sardenberg, Miriam Porquinho, Bóris Casoy e João Dória Jr.

Com esse novo prêmio, o Futuro Alavancador do PIB Nacional aumenta sua coleção de homenagens que o mundo já lhe rendeu, genuflexo e embasbacado com tanta sabedoria e competência:

  • Prêmio Não-sei-o-que da OMF (acima)
  • Prêmio Destaque do Ano de 2002 da Fundação Karloff
  • Medalha de Honra ao Mérito da Associação dos Acionistas da Telefônica
  • Prêmio Alstrom
  • Troféu Microsoft de Incentivo ao Software Livre
  • Ordem da Sanfona do Fã-Clube de Dominguinhos, subsede Petrolina, no grau de comendador
  • Troféu Black and Decker
  • Troféu Imprensa, categoria animador de fila
  • Prêmio Engenheiro da Década, da Associação Mundial de Engenharia
  • Concurso  “O Ministro da Saúde Mais Bonito”, em 2001
  • Ordem do Mérito Bananeiro
  • Prêmio Economista do Milênio, da Ordem dos Economistas da Lapa
  • Grammy Latino, categoria Cantor de Forró

A decisão de receber o merecido prêmio gerou certa agitação nos bastidores do círculo de ordenanças do Líder Luminoso do Desenvolvimento Nacional. Ao tomar conhecimento da nova homenagem ao Mais Preparado dos Economistas Brasileiros, seu jornalista de estimação desde a infância, Reinaldinho Cabeção, ofereceu-se para providenciar as loas à nova conquista do Presidente de Nascença. Mas sua assessora Miriam Cochonne disse que ela é quem vai fazer a matéria comemorativa principal,  por ser a maior especialista no tema.

Fontes que pediram sigilo revelaram que a entrega do prêmio deverá ocorrer quando da divulgação dos resultados do crescimento PIB do quarto trimestre de 2009, ocasião em que Serra poderá provar sua superioridade insubstituível no campo da economia e provar que é o responsável pela retomada da economia brasileira.

Comentário da Tia Carmela: Esse Zezinho, sempre gostou de uma homenagem! Eu já contei a história das medalhinhas de São Vito que ele arrumou uma vez porque ficou com ciúme do menino que ficou em primeiro lugar nas notas na escola e ganhou uma medalha, né?  Naquela vez, o Reinaldinho Cabeção ficou muito triste porque o Serra mandou o Pedrinho, filho da dona Tereza, fazer a entrega da medalha. Queria que fosse ele…


Acusada de roubar dinheiro das criancinhas dá prêmio a Serra

11/07/2009

O Melhor de Todos os Ministros da Saúde que Poderiam Existir, José Serra, recebeu prêmio de uma organização, a OMF, acusada de desviar recursos da construção de uma maternidade em Sergipe. A organização, que se diz, indevidamente, ligada à ONU, tem entre seus mais ilustres e atuantes participantes Deisi Noeli Weber Kusztra, que também tem acusações semelhantes no Paraná, segundo o blog de Cláudio Nunes. Dona Deisi foi a responsável pela indicação à premiação do ilustre economista paulista que é tão bem preparado que merecia ser presidente da república.Veja também matéria da CBN.

Fonte: Blog Viomundo

Comentário da Tia Carmela: Isso me lembra uma que o menino Zezinho um dia aprontou, lá na Móoca. O Renatinho, filho da dona Roberta, havia ganho o prêmio de melhor aluno no fim do ano, com medalha e tudo. O Zezinho ficou com muita inveja e pegou dez cruzeiros do pai dele e deu para o Pedrinho da dona Tereza, para o Pedrinho pegar umas medalhas de S. Vito lá no Brás. E o Pedrinho fez uma cerimônia de premiação só para o Zezinho, com as medalhas. Esse Zezinho sempre gostou de homenagem, custasse o que custasse…