Marginal faz festa com as mil Caras do Pres. Zezinho

11/10/2010

O Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro presidente Zezinho, é um grande amigo da imprensa livre. Por isso, resolveu acrescentar mais uma publicação à generosa distribuição de revistas às escolas e professores paulistas.

O Presidente de Nascença ordenou ao seu muy amigo Geraldinho do Vale que distribua 1000 mil exemplares da revista Caras a cada escola pública da Locomotiva da Nação.

As mil Caras do Pres. Zezinho: os eleitores infantis paulistas estão felizes porque os filhos de suas empregadas vão poder ler as mesmas revistas que eles.

Não é sem motivo que o Maior dos Tribunos é o candidato dos meios de comunicação verdadeiramente comprometidos com a liberdade e a democracia. Sua trincheira é a mesma dos grandes empresários do jornalismo que, em 1964, apoiaram a Revolução Redentora que trouxe anos de paz, democracia e liberdade para o Brasil.

O Presidente de Nascença resolveu que as maravilhosas publicações desses grandes democratas são indispensáveis à formação dos filhos das classes subalternas e seus incompetentes professores.

O assessor para assuntos gráficos e pornográficos do Mais Capaz dos Homens Públicos, sr. Paulo R. Gates de Souza, já encaminhou a contratação da editora que fica à beira da Av. Marginal Serra, em S. Paulo.  Um grupo de bispos progressistas paulistas já deu o imprimatur.

O Pres. Zezinho (direita) tem grande respeito pelo chefe da famiglia da Marginal.


A famiglia que controla a editora que se instalou junto às marginais comemorou a operação das mil Caras do pres. Zezinho. Segundo o coprojornalista Augusto N. do Rego, um dos empregados da famiglia, as mil caras do pres. Zezinho vão fazer muito sucesso entre a chusma ansiosa pela verdade.

As mil Caras do Presidente de Nascença já estão disponíveis para quem quiser vê-las. Basta visitar uma escola pública paulista e conversar com seus professores e alunos.
Comentário da tia Carmela

QUADRILHA DA MARGINAL: UDN fez uma grande festa junina na Av. Marginal Serra para comemorar as mil Caras do pres. Zezinho

O Zezinho sempre gostou desse negócio de ter muitas caras. Quando ele era criança, na época de carnaval ele adorava aquelas máscaras de papel que o seu João vendia na banca de jornal na esquina da rua da Mooca com a Orville Derby. Eram umas máscaras de pirata, frankestein, macaco, palhaço, cachorro, essas coisas. Eram de papel grosso com um elástico para prender atrás da orelha, e vinham com uns furos no lugar do olho e da boca. Ele arrumava dinheiro e comprava um monte daquelas, e saía na rua trocando de máscara o tempo todo. Ele achava que as pessoas não reconheciam ele, mas todo mundo sabia que aquele moleque que trocava de cara o tempo todo era o Zezinho.

Link curto deste post:
http://wp.me/py9tu-1fT


Ameaças de Arruda: Gov. Zezinho reage com serenidade

23/02/2010

Como era de se esperar de um homem de sua incomparável envergadura moral, o Mais Preparado dos Brasileiros, o governador Zezinho, reagiu com serenidade às ameaças do governador do DF, Demoarruda Bauducco (PSDEM-DF).

Contrariado pela escolha de Dilma para a vaga de vice-presidente na chapa purossanguessuga do governador Zezinho, o  recluso  cleptocandango enviou mensagem  ao governador Zezinho, diretamente da cela onde está injustamente preso.

No recado, Demoarruda ameaça abrir o bico que conserva de seus tempos de tucano e revelar a receita do panetone distribuído no Programa Panetone S. Paulo, caso seu nome não volte a ser considerado para a vice-presidência. Como está incomunicável, o ex-líder de FHC no Congresso usou uma  barata-correio treinada para levar a mensagem, escrita no verso de um duvidoso anúncio de panetone.

Sempre perspicaz, o assessor Diogo de M. estranhou o papel em cujo verso o recado foi escrito.

A mensagem levou pânico ao QG de campanha do governador Zezinho. Desesperada, a assessora para assuntos econômicos e ambientais, sra. Miriam Cochonne, subiu na mesa e começou a gritar “tirem este monstro daqui!”, mas logo se corrigiu e salvou seu emprego: “eu quis dizer, esse bicho nojento!”  O assessor para assuntos culturais, Diogo de M., também desesperou-se com o ortóptero adestrado e gritava: “isso veio da PF de Brasília, tem mão do Lula aí!”

Desce macio e reanima: A generosa assessora Hipólita da Costa dividiu seu drinque com a barata.

O assessor para assuntos inglórios Bob Freire (PPS-SP), foi encarregado de capturar o inseto-mensageiro e enviá-lo de volta a Brasília, onde uma equipe de ninjas gaúchos treinados na segurança do Palácio Piratini promoveu seu desaparecimento. A heróica barata já havia cumprido sua missão, e foi incinerada com honras, em fogueira de palha seca de chimarrão, durante solenidade de queima de arquivos abrilhantada pela presença do general romano Agripinus (ARENA-RN) e a cleptoprenda Yeda Crusius (PSDB-RS).

Sereno, como convém a um homem de sua estirpe e quilate, o Presidente de Nascença acalmou sua equipe de assessores com uma gentil, porém firme, ameaça de demissão.  Altivo e sobranceiro, o Iluminado Ser Sem Rancores exortou seus serviçais a exercerem as virtudes cristãs da paciência, da compaixão e do perdão.  Em sua homilía aos temerosos assessores, lembrou-os que a melhor coisa a fazer nessa situação é perdoar e oferecer a outra face ao agressor.  Entusiasmada com a sabedoria ali transmitida, a redatora de panegíricos Eliane Cantanhêde publicou artigo na imprensa amiga defendendo a aceleração do processo de Beatificação do governador Zezinho.

O Inexorável Presidente repetiu a seus assessores  o que já havia publicado em seu twitter @govzezinho:  tal atitude destemperada era fruto do sofrimento de Demoarruda, vítima de uma terrível perseguição e tortura psicológica, promovidas pelas hostes petistas para desestabilizar a vitoriosa campanha do Mais Competente dos Brasileiros. Afirmou estar seguro de que as ameaças não se concretizarão: “O Demoarruda jamais faria algo contra mim. Nós somos como almas gêmeas, unha e carne, dois carecas, dois irmãos”, referindo-se ao fato de que os dois grandes estadistas formavam a dupla Careca e Carequinha, que costumava se apresentar nos comícios do poeta amazonense Virgílio, quando ainda havia gente disposta a votar nele.

Tanta serenidade não significou falta de precaução. Cuidadoso, o governador Zezinho ordenou ao seu secretário de educação e assuntos gráficos, Paulo Renato Gates de Souza, que destruísse os caderninhos onde estavam anotadas a mão as receitas do Programa Panetone São Paulo, que eram compartilhadas com o Programa Panetone DF, criado por Demoarruda Bauducco. As anotações com o registro da origem dos ingredientes e lista das receitas auferidas estavam enfurnadas em um cofre em um ilha no Caribe, por segurança.

Os livros com as receitas do panetone, esmeradamente impressos na gráfica Plural, foram destruídos por precaução.

Depois, em  entrevista especialmente convocada, o Mais Competente dos Brasileiros fez questão de reafirmar: “Demoarruda não fará nada contra mim. Nele, eu confio integralmente”. E aproveitou para alfinetar o governador da rodovia BR-3: “Se fosse o Tancredo Neves, aí eu estaria mais preocupado”.

Comentário da tia Carmela

E desde quando o Zezinho perdoa alguém? Quando ele era criança, lá na Mooca, quando algum menino fazia alguma coisa de que ele não gostava, o Zezinho não sossegava até se vingar dele. Às vezes, se vingava até mais de uma vez. Mas, mesmo vingado, ele nunca perdoava. Lembro de uma história até engraçada, apesar de triste: uma vez o Geraldinho, que era de uma família de turcos que tinham uma lojinha de armarinhos ali na rua da Mooca, na esquina da rua Orville Derby, quis fazer o papel de Deodoro no jogral sobre a proclamação da república que iam montar na escola. Era uma espécie de concurso, e todas as classes tinham que montar um jogral sobre o mesmo assunto. Só que o Zezinho também queria o papel de Deodoro, que era o principal, e o Geraldinho insistia. Aí o Zezinho mandou o Reinaldinho Cabeção espionar como estava sendo montado o jogral das outras classes. Quando soube que tinha uma classe que ia fazer um jogral muito melhor que o deles e ganhar o prêmio, o Zezinho desistiu e disse para o Geraldinho: tudo bem, pode ser você o Deodoro. E o Zezinho disse que para ele estava bom preparar as folhas com as falas que cada menino ia ler no dia da peça. Quando chegou o dia, o Zezinho entregou uma folha com um monte de bobagens escritas para o Geraldinho. Quando ele leu a primeira frase, todo mundo riu. Conforme ele ia lendo, o vexame ficava cada vez maior. E o Zezinho e o Reinaldinho Cabeção riam mais que todo mundo…


Serra cria o Mensalão da Banda Lerda

16/10/2009

Com ciúme do Programa Internet Para Todos, do governo federal, e preocupado com a perda de receita de seus amigos espanhóis da Telefonica, que ganharam a telefonia de SP de seu amigo FHC, o Maior de Todos os Brasileiros resolveu dar um dinheirinho para  cobrir o rombo da perda de assinantes do serviço de internet banda larga (Speedy). A Telefonica anda em baixa porque a própria ANATEL foi obrigada a admitir que o serviço prestado era de qualidade tão ruim que teve sua comercialização proibida.

Seguindo as práticas cleptotucanas usuais de solidariedade com os amigos, o Presidente de Nascença lançou um programa cujo é-di-tal foi elaborado de tal forma que apenas a Telefonica poderia se habilitar.

Pelo programa, já batizado de Mensalão da Banda Lerda a Telefonica continuará prestando serviço de qualidade inferior, uma pseudo-banda larga (250 Kb), e cobrando preços parecidos com o que já cobra. Mas deixará de pagar ICMS.

A população de São Paulo já organiza um grande ato de júbilo em homenagem ao Mais Preparado dos Políticos, como forma de agradecer a mais essa grande decisão de estadista.

Comentário da Tia Carmela: O Zezinho sempre gostou de ajudar seus amiguinhos espanhóis. Lá na rua dele, na Móoca, tinha o Pepe, que era filho do seu Salvador, um espanhol que vendia pão de bicicleta de manhã cedo. O Zezinho gostava muito do Pepe, porque ele sempre ajudava o Zezinho quando ele se metia em encrenca. Eles tinham um acordo: quando um estava precisando de dinheiro pra comprar doce, o outro pagava. Acontece que o Pepe era um menino muito guloso e sempre tirava vantagem. Pagava umas balinhas do Zezinho e na hora de tomar sorvete, que era mais caro, arrumava um jeito do Zezinho pagar…


O cliente VIP da editora Abril

28/08/2009

O Mais Preparado de Todos os Seres Viventes, o governador José Serra, segue firme em sua prática de ajudar a sustentar a editora Abril. Para isso, mais uma vez repetiu a prática de comprar milhares de publicações da editora sem licitação. Mandou comprar mais 500 mil exemplares de uma publicação, entre outros encalhes da Abril.

Sempre é bom lembrar: a Abril é dona da Revista Mais Vendida do Brasil, a Veja, aquela que até os moradores de rua desprezam e põem fogo nela.

Veja mais em post do Conversa Afiada reproduzindo o NaMaria.

Comentário da Tia Carmela: A Abril não é a editora do Pato Donald? Pois é, o Zezinho, quando era criança lá na Móoca, vivia choramingando porque o pai dele não dava dinheiro para comprar o gibi do Pato Donald pra ele ler as historinhas do Tio Patinhas. Um dia lembro dele falando: quando eu crescer vou ter dinheiro para comprar todos os gibis do Pato Donald do mundo! Vai ver que agora quer comprar toda a editora!…


O Êscândalo da Merenda escolar em SP I – FSP joga a culpa em Marta Suplicy

08/08/2009

O Jornal Mais Vendido do Brasil, a FSP, arrumou um jeito de isentar O Maior dos Governadores do Universo do esquema Serra-Kassab de propina na merenda escolar de SP: jogou a culpa na antecessora do Gênio da Economia na prefeitura de SP. Veja a notícia abaixo.

Comentário da Tia Carmela: Essa, meu filho, nem vou comentar. O Zezinho sempre gostou de fazer arte e jogar a culpa nos outros. Já falei várias vezes.

06/08/2009 – 08h44
 Kassab e Serra negam propina na merenda
 Publicidade
 da Folha de S.Paulo
O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), e seu antecessor, o hoje governador José Serra (PSDB), negaram ontem (5) a existência de um esquema de propinas para manutenção de contratos de merenda escolar em suas gestões.
Em ação civil protocolada na terça-feira (4), o Ministério Público Estadual citou supostos subornos feitos por empresários do setor a fim de manter contratos com a prefeitura.
“O Ministério Público está livre para investigar. Vamos ver o que eles mostram”, disse ontem o governador. “Na minha gestão não houve irregularidade nenhuma. Eles estão aí investigando, ainda falta muita coisa. Estão livres para investigar e terem as informações que quiserem”, completou Serra.
A Procuradoria Geral de Justiça, órgão responsável por investigar governadores, recebeu cópias da parte da investigação que se refere à gestão Serra.
Kassab também comentou o caso e negou que haja pagamento de propina para sua gestão. “Existem denúncias no Brasil inteiro de que empresas vinculadas à merenda tenham uma ação nefasta em relação ao uso do recurso público. Aqui em São Paulo felizmente isso não acontece”, disse o prefeito.
O objetivo da ação do Ministério Público é impedir a continuidade dos contratos terceirizados da merenda na cidade. Uma nova licitação está prestes a ser concluída.
Os pagamentos, segundo os promotores Silvio Marques e Arthur Pinto de Lemos Jr., foram iniciados na gestão Marta Suplicy (2001-2004) e continuaram nos governos Serra (2005-2006) e Kassab.
Anteontem, quando a Promotoria apresentou a ação, a ex-prefeita Marta Suplicy negou as acusações e disse que vai recorrer a seus advogados. As empresas citadas também negaram pagar propina. Serra e Kassab não haviam feito declarações ainda.
Ontem, a Justiça deu 72 horas para a prefeitura se manifestar sobre a ação antes de tomar qualquer decisão. O prazo, diz o Tribunal de Justiça, passa a valer a partir da publicação do caso em “Diário Oficial”, o que deve ocorrer até amanhã.

MP investiga contas de publicidade de Serra

31/07/2009

A Assembléia Legislativa pede documentos. O MP tenta investigar os generosíssimos gastos de publicidade do Mais Brilhantes de Todos os Economistas Pátrios.  Mas o governo recusa-se a enviar as informações solicitadas. Inclusive sobre a publicidade da SABESP, empresa responsável pelo saneamento no Estado de SP, veiculada no Acre (?!!!).

Mensalão da mídia? Quem ganhou dinheiro com tanta publicidade?

Mais sobre isto no Conversa Afiada


Comentário da Tia Carmela: O Zezinho sempre gostou de sonegar informação. Uma vez, quando era criança lá na Móoca, ele fez muita arte na escola e a diretora da escola fez uma anotação no boletim dele. Quando chegou em casa e a mãe pediu para ver o boletim, ele disse que tinha perdido no caminho… Se a finada dona Serafina ainda estivesse viva, que Deus a tenha!, a coitada ainda estava esperando o boletim do moleque…


Como Serra ajudou a financiar o “Cansei”

03/07/2009

Deve ter sido coincidência, mas  Maria de Lourdes Sinisgalia Fernandes, a Lu Fernandes, uma das líderes do movimento “Cansei”, fracassada iniciativa golpista reunindo grandes brasileiros como João Dória Junior, recebeu mais de um milhão de órgãos do governo do estado de S. Paulo.

Obviamente, foi coincidência…

Veja no blog Cloaca News.

Comentário da Tia Carmela: Esse menino Zezinho sempre pegava dinheiro do bolso do pai para dar para os amiguinhos que ajudavam ele a fazer arte… Uma vez deu dez cruzeiros para um menino escrever no muro da escola uns palavrões xingando o diretor. Quem levou a suspensão foi o menino, coitado. Pelo menos tinha ganho os dez cruzeiros.