Crise na UDN: pres. Zezinho briga por causa de pinto

12/03/2011

O Barão de Pindamonhangaba minimizou o conflito: "é um problema bem pequenininho".

O Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro pres. Zezinho,enfrenta novo drama. Ainda não refeito da derrota de sua escola de samba no carnaval paulistano, agora vê-se envolvido em uma briga por causa de pinto.

O que é mais triste é que o Presidente de Nascença brigou por causa de pinto justamente com seu muy amigo, Geraldinho do Vale.

Segundo fontes do confessionário do Palácio dos Bandeirantes, o Barão de Pindamonhangaba anda fazendo má-criação para o pinto de estimação do Almirante do Tietê. Parece que Geraldinho do Vale não gosta do bondoso galináceo-mirim e tem feito de tudo para abatê-lo.

Más companhias: Geraldinho do Vale riu do conselho de seu confessor e disse que vai acabar botando o pinto pra fora num dia desses. Dona Lu aplaudiu.

O pinto que é pivô do conflito havia sido adotado pelo pres. Zezinho. O Maior dos Filhos da Mooca hospedou o animalzinho em um prédio do governo do estado na Rua Líbero Badaró, como mascote da repartição.

Entretanto, Geraldinho do Vale quer colocar como mascote da mesma repartição um antigo pitbull de estimação, que andava meio sem função lá em Pinda.

A situação degenerou e um um mar de cizânea, envolvendo não só os dois próceres da UDN paulista, mas vários outros integrantes da prestigiosa agremiação.

Contra tudo e contra todos: O pinto está preparado para o que der e vier.

A ala aviária da UDN imediatamente manifestou seu apoio ao pinto do pres. Zezinho. O tucano verde que o Mais Competente dos Homens comprou em Ipanema leu uma pungente declaração à imprensa. A araponga (Canalhus itagibus) de estimação do Orgulho da Nação também ofereceu seus préstimos ao pinto, que parece estar precisando deles.

O conflito pintocanino chegou à imprensa. O Jornal Mais Vendido do Brasil envolveu-se na contenda, publicando uma reportagem mostrando o pinto como vítima da perfídia da banda podre do reino animal.

Das praias de Copacabana, o fanfarrão minésio, Tancredo Neves, rapidamente procurou tirar proveito da situação. A imprensa de aluguel das Alterosas fez editorial dizendo que a gente de Minas não pode mais tolerar o abuso e o achincalhe contra si, e acusou o pinto de intrometido e de produzir vazamentos constantes.

Os cães policiais estão babando: se a briga esquentar, nem o pitbull nem o pinto ficarão como mascotes da repartição.

Ao mesmo tempo, o grande construtor da Pirâmide Administrativa fazia um discurso conciliador, sugerindo que seria melhor um terceiro assumir a função de mascote da repartição.

Alguns analistas disseram que esse discurso sinalizava um apoio ao nome do líder udenocanino, Sr. Cachorro-Lagosta, para ser o tertius, o que enfraqueceria os dois contendores. O jornalista Merdoval Pedreira, no entanto, mandou cable ao embaixador dos EUA informando que essa versão é totalmente descabida.

Boatos causam desespero

Na tarde de hoje, correram rumores de que, cansado de esperar a nomeação como mascote da repartição da Líbero Badaró, o pitbull de Geraldinho do Vale havia atacado o pobre penoso, que teria sido despedaçado em segundos.

QUADRILHA: Desde a Idade das Trevas, a UDN sempre teve pintos importantes nas suas festas juninas.

Ao ser alcançada pelo boato, a Srta. Francine De L’Herbe entrou em desespero. Largou sua barraca de artesanato hippie na Praça da República e correu até a Rua Líbero Badaró, a cerca de 800 metros. Ao chegar, ficou reconfortada ao saber qual pinto havia sido o motivo da briga: “que susto, pensei que era outro”, teria dito, aliviada.

Comentário da tia Carmela

Você fica escrevendo essas coisas, esses seus amigos boca-suja que ficam lendo o blog vão logo colocar uns comentários cheios de malícia aqui.  Olha que eu não vou deixar escrever indecência, não!  Indecência, já bastam as do Zezinho…

Anúncios

Samba-enredo da Unidos da UDN

11/03/2011

Embalada pela lascívia do samba-enredo sobre a vida do Almirante do Tietê, uma grande intelectual da UDN entregou-se à devassidão neste carnaval: "essa saga é tão excitante que me fez perder o juízo".

O Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro pres. Zezinho, viveu um carnaval antológico. Sob sua batuta como diretor de harmonia, concórdia e lealdade da GRES Unidos da UDN, a escola de samba de Higienópolis fez o maior carnaval e roubou a cena do carnaval paulistano. Mas, em uma grande injustiça, perdeu o carnaval e tudo se acabou na quarta-feira.

Agora que o Carnalval passou, o Presidente de Nascença vai retomar sua luta para fazer do Brasil o país da UDN.  Mas nós não podemos esquecer esse momento maravilhoso que vivemos neste carnaval.

Por isso, publicamos aqui o samba-enredo da Unidos da UDN. Para quem esteve lá recordar para sempre; para quem não esteve, para aprender a cantar essa pérola inesquecível.  Ao final deste post você pode ver a partitura para aprender a tocá-la.

Letra
Samba-enredo: Naveguei no Mar da Traição até chegar em 2014 ao Reino Encantado do Planalto Dourado: O sonho do Almirante do Tietê

Compositores: Pe. Quevedo, Caetano Cozinheiro e Virgilius

Puxadores: Reinaldinho Cabeção (saco), Salvador Cachola (8 anos), Dr. Lalau (5 anos), Inácio Capixaba (9 anos)


Alô Bateria!…..Geme cuíca! Grita tamborim!…. Ahhiiiiiiii!!!!

Naveguei!….. Naveguei!
Nas asas da imaginação
E no sonho de criança (qué que tem???)
Um reino encantado vislumbrei (eu Vislumbrei!)
Vem comigo, nessa viagem de emoção (vem…. vem…. vem….)

Vou mostrar prá todo mundo (o que?….o que…?)
Que sou Zezinho, da Mooca o mais brilhante,
Do Tietê eu sou o Almirante,
E dentre os gênios, sou o mais preparado
E não me nego não
A cantar o meu bordão
Refrão repete duas vezes (levanta arquibancada):

Embarcando na folia
A UDN vem mostrar (vem mostrar)
Que na fé e na magia
O Zezinho chegou para nos guiar

Mas o sonho foi perdido (o que…. o que…?)
Estava cego para a realidade
Vejam vocês, acabei desiludido
De mim tiraram toda a felicidade
Num cenário emoldurado e perfeito (qué que tem…?)
como um arauto estava a imaginar: (o que?…. o que?…)
Em outubro vou vencer e ser eleito

Mas o destino estava a me enganar
Atacaram minha fé e minha crença
E usurparam meu lugar (o meu lugar!)
Mas sou o Presidente de Nascença
E nunca vou desanimar! (desanimar!)

Refrão repete duas vezes (levanta arquibancada):

Embarcando na folia
A UDN vem mostrar (vem mostrar)
Que na fé e na magia
O Zezinho chegou para nos guiar

Antigo céu da civilização
Desse mel não vou provar
Das águas da imaginação
O gosto amargo sei que vai ficar

Se por Tancredo eu fui traído
E até meu pitta me abandonou (abandonou)
Eu não me deixei abalar
Pois Higienópolis me consolou!

De novo embarcar nesta magia
Em busca de um lugar ao sol (Que é meu! Que é meu!)
Das cinzas renasce a utopia
Mistérios brotam deste chão (Que é meu! Que é meu!)
Quando pensaram que eu desistiria
Aqui estou eu, mostrando o meu bordão

Refrão repete duas vezes (levanta arquibancada):

Embarcando na folia
A UDN vem mostrar (vem mostrar)
Que na fé e na magia
O Zezinho chegou para nos guiar

Iluminou….. Iluminou!

Dois mil e catorze é o ano
Do alvorecer da nova era
E para o povo eu proclamo
Para a massa e prá galera
E vou contar pra você:

A todos vou enfrentar
Para florir a minha primavera
Sou o Almirante do Tietê!

E se Tancredo não me atrapalhar
Alvíssaras de um novo aeon (um novo aeon…)
Desse elixir eu sei que vou provar
E o Planalto será meu panteón!

Refrão:

Embarcando na folia
A UDN vem mostrar (vem mostrar)
Que na fé e na magia
O Zezinho chegou para nos guiar


Partitura para você tocar o samba-enredo da Unidos da UDN:

Comentário da tia Carmela

Ainda bem que acabou esse carnaval. Eu não aguentava mais ver a chorumela desse pessoal da escola de samba do Zezinho, reclamando que foi uma injustiça, que ele era o melhor diretor de harmonia, que a escola deles era a mais preparada… Parece que não vai tocar samba na tal Caverna do Ostracismo por um bom tempo…


Obrigado ao Pe. Quevedo pela ajuda nesta série sobre o Carnaval da UDN!


Unidos da UDN rouba a cena no Carnaval Paulistano

05/03/2011

Nosso agradecimento ao Revmo. Pe. Quevedo, que inspirou e contribuiu com a elaboração também deste post.

O carro alegórico "Democratas da UDN" saiu quase vazio: vários integrantes abandonaram o desfile e deixaram a escola na mão.

O Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro presidente Zezinho, comandou o desfile do Grêmio Recreativo Escola de Samba Unidos da UDN, ponto alto da abertura do carnaval da locomotiva da nação neste ano.

Como era esperado, a Unidos da UDN roubou a cena.O Presidente de Nascença, como diretor de harmonia, concórdia e lealdade da agremiação udenocarnavalesca, garantiu que a escola empolgasse as massas que acorreram ao camarote da imprensa no  sambódromo para delirar com o desfile de sua escola do coração.

Enredo emocionante

Com o enredo  “Naveguei no Mar da Traição para Chegar em 2014 ao Reino Encantado do Planalto Dourado: O Sonho do Almirante do Tietê” a escola de Higienópolis levantou as arquibancadas do Sambódromo do Anhembi.

Um belo carro alegórico homenageou o ex-sábio FHC, presidente de honra da Unidos da UDN

O desfile da escola contou as aventuras do Almirante do Tietê, o Mais Preparado dos Heróis Brasileiros, em sua luta contra os mais terríveis monstros, para chegar ao Reino Encantado do Planalto Dourado. Como um novo D. Sebastião, o Almirante do Tietê nasceu para reinar sobre um amplo domínio a ele assegurado pelos céus, mas, para isso, tem que enfrentar os infiéis selvagens. Depois de várias tentativas e traições, finalmente alcançará seu objetivo, em 2014.

A abertura do desfile já foi espetacular. O carro abre-alas apresentou o símbolo da Unidos da UDN, a simpática ave parasita Ramphastos udeenius vulgaris, elevada  a 30 metros de altura para representar a sabedoria e pureza da UDN pairando sobre a plebe ignorante, corrupta e sem MBA nos EUA. Para tal façanha, a escola utilizou um experiente guindaste do Robanel, fornecido pela empresa da mãe do tesoureiro da agremiação, Sr. Paulo Caixa Preta 2. O tesoureiro também foi responsável por organizar a arrecadação da comissão de frente de 20%, da qual 1/3 sumiu misteriosamente, mas sem prejudicar o brilho do desfile.

Amor e devoção à Unidos da UDN

O Mestre-Sala, sr. Bob Freire, não resistiu e se ajoelhou quando o pres. Zezinho passou.

O casal de mestre-sala e porta-bandeira, Sr. Bob Freire e Sra. Soninha Copélia, foi um espetáculo à parte. Ao longo do desfile fizeram grandes evoluções em círculos. Foi comovente a maneira como o Sr. Bob Freire beijava a bandeira da Unidos da UDN.

Em um gesto polêmico de demonstração de amor pela agremiação, os dois pisotearam as bandeiras de suas antigas escolas de samba, arrancando urros extasiados dos eleitores infantis paulistas que assistiam ao desfile.

No final, a Sra. Soninha Copélia não mais aguentou o pesado vestido. Com extrema habilidade, arrancou a vestimenta sem soltar o mastro nem deixar a bandeira cair, e concluiu o desfile sem roupa, sob os aplausos do público e bolinações dos aposentados da Caverna do Ostracismo, que tiverem uma ala própria.

Bateria nota dez e notas de R$ 100

O ex-jogador Ronaldo desfilou na ala dos aposentados, com seus amigos de bocha da Caverna do Ostracismo.

A bateria foi outro grande destaque. Comandada pelo Mestre Hariovaldo, ela garantiu a empolgação dos foliões. Também neste quesito a Unidos da UDN inovou: contou com a participação de vários integrantes da cooperativa de autogestão prisional do Estado, que utilizaram instrumentos automáticos e de repetição. Como não trouxeram seus silenciadores, o som da bateria tomou conta do sambódromo e de toda a da cidade. Findo o desfile, alguns irmãos aproveitaram que estavam lá para vender uns bagulhos para o povo nas arquibancadas; outros aproveitaram para tomar uns bagulhos do povo na saída do Anhembi.

Além de garantir a harmonia da Unidos da UDN, o pres. Zezinho também foi o criador de muitas fantasias usadas no desfile, com a ajuda de parceiros como Merdoval Pedreira, Miriam Cochonne, C.A. Merdenberg, Arnaldo Jabá, Ari Camelo e outros ilusionistas menos conhecidos.

Muita gente acreditou que a fantasia "Almirante do Tietê, o Grande Gestor" fosse real.

Fantasias como “Almirante do Tietê Criando os Genéricos”, “Almirante do Tietê Atacado Pela Fita Crepe Malvada”, “Monstra Assassina de Criancinhas” e “Almirante do Tietê Defendendo a Petrobrás” fizeram vários eleitores infantis paulistas que assistiam ao desfile acreditar que eram reais.

A grande surpresa do desfile foi o Barão de Pindamonhangaba. O Dr. Geraldinho do Vale recusava-se a participar do desfile por considerá-lo um momento de perdição e conscupicência, mas mudou de idéia quando soube que a Unidos da UDN ganhara o nihil obstat de D. Luizinho, bispo  de Guarulhos. Aí, reivindicou participação na comissão de frente de 20%.

Comentário da tia Carmela

QUADRILHA: Depois que o carnaval passar, a quadrilha da UDN volta.

O Zezinho sempre gostou de carnaval. Quando ele era criança, lá na Mooca, ainda não tinha desfile de escola de samba como tem hoje. Mas ele adorava a brincadeira de  de jogar água nos outros.  Uma vez, ele arrumou umas daquelas bisnagas de jogar água imitando lança-perfume e chamou o Reinaldinho Cabeção para brincarem. Em vez de água, eles encheram as bisnagas de xixi. Aí, foram para os lados do Hipódromo e começaram a espremer as bisnagas e molhar os outros meninos, que também estavam com suas bisnagas de água. Quando um percebeu que aquilo não era água e sim xixi, ficou furioso e avisou os outros. O Zezinho saiu correndo e deixou o Reinaldinho Cabeção lá, apanhando sozinho…


Carnaval na Caverna do Ostracismo: UDN funda escola de samba

03/03/2011

Nosso agradecimento ao Revmo. Pe. Quevedo, que inspirou e contribuiu com a elaboração deste post. Minha tia Carmela disse que vai fazer um bolo de chocolate especial para ele.

A Unidos da UDN adotou a tração ecológica em seus carros alegóricos, com a ajuda de importantes jornalistas do Jornal Mais Vendido do Brasil.

O Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro presidente Zezinho, foi convocado pelos seus colegas da Caverna do Ostracismo para mais uma tarefa fundamental para a redenção da Pátria Bandeirante.

O Presidente de Nascença foi escolhido por unanimidade para ocupar o cargo de Diretor de Harmonia da nova agremiação carnavalesca paulistana: A Escola de Samba Unidos da UDN.

Nascida para o sucesso, a já popularíssima escola de samba está roubando a cena do carnaval paulistano, como somente a UDN saberia fazer.

Com sede localizada no aristocrático bairro de Higienópolis, a Unidos da UDN vem para seu primeiro carnaval com o enredo “Naveguei no Mar da Traição para Chegar em 2014 ao Reino Encantado do Planalto Dourado: O Sonho do Almirante do Tietê”.

O enredo conta as aventuras de um personagem mitológico, o Almirante do Tietê, em sua luta contra os mais terríveis monstros para chegar ao Reino Encantado do Planalto Dourado, construído para ele desde a eternidade.

O mascote da escola, sr. Cachorro-Lagosta, aprovou a fantasia que vai usar no desfile deste ano.

Confira a ficha técnica da nova alegria dos paulistanos:

Nome Oficial: Grêmio Recreativo Escola de Samba Unidos da UDN

Data de fundação: 21/04/1500

Cores Oficiais: Verde-dólar, Azul-euro e Amarelo-ouro

Ave-símbolo: Tucano Real (Ramphastos udeenius vulgaris)

Endereço: Caverna do Ostracismo , fundos, Higienópolis-SP

Patronos: Daniel Mendes e Gilmar Dantas

Presidente: Serginho Guerreiro

Presidente de Honra: Seu Fernando Pé na Cozinha

Vice-Presidente: Mapa do Chile

Tesoureiro: Paulo Caixa Preta 2

Diretor de Bateria: Mestre Hariovaldo de Almeida Prado

Diretor de Harmonia, Concórdia e Lealdade: Zezinho da Mooca

DEVASSA: Depois de unir-se à UDN na campanha do pres. Zezinho, a sra. Sandy perdeu de vez a compostura e prometeu desfilar vestindo apenas um rótulo de cerveja.

Diretor de assuntos gráficos: Paulo R. Gates de Souza

Diretora de Fumacê: Francine De L’Herbe

Diretor Comercial: Fernandinho Gabeiramar

Diretor de Projetos Comunitários Bacanas com Crianças Remelentas: Gilbertinho da Vila

Diretor Espiritual: $ilas Malacheia

Capelão: Pe. Marcelo Rossi

Motorista: Jarbas Pernambucano

Ala dos Compositores: Caetano Cozinheiro, Jobinzinho Sargento e Dominguinhos Sanfoneiro

Assessor de imprensa: Merdoval Pedreira

Mascote: Cachorro-Lagosta

Rainha da Bateria: Cláudia Abreu

Madrinha da Bateria e Boneca Inflável da Rapaziada: Bianca Dias

Mestre-Sala e Porta-Bandeira: Bob Freire e Soninha Copélia

Destaques: Miriam Cochonne, Hipólito da Costa, Joanna Kramer, Cristiana Cordeiro e Elaine Tacanhede

QUADRILHA: O mestre-sala e a porta-bandeira vêm treinando há tempos na quadrilha da UDN.

Velha Guarda: Heráclito de Éfeso, Mao Boba, Jorge Borraugem, Cesar Malta

Comissão de Frente: 20% (a ser recolhida pelo sr. Paulo Caixa Preta 2)


Comentário da tia Carmela

Agora é que o carnaval vai virar uma pouca-vergonha, mesmo…




Pres. Zezinho recebe Faraó na Caverna do Ostracismo

11/02/2011

O pres. Zezinho elaborou o projeto dos aposentos do Faraó na Caverna do Ostracismo.

O Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro pres. Zezinho recebeu hoje o novo hóspede da Caverna do Ostracismo, o Faraó do Egito.  O ex-esteio da democracia no Oriente Médio passará uma temporada no espeleógico recanto até reorganizar sua vida.

Na chegada, sua Majestade (no caso, o Faraó) foi recebida pelo Deus-Sol da política (no caso, o Presidente de Nascença), em uma bela festa que reuniu os moradores do Retiro do Udenista.

O cozinheiro Caetano foi muito criativo na preparação da mesa do banquete.

Como não podia deixar de ser, um maravilhoso banquete foi servido, preparado por Caetano, cozinheiro que o ex-honoris causa FHC tirou da Sarjeta do Esquecimento. O gênio soteropolitano fez muito sucesso, e o Faraó acabou comprando os direitos autorais das receitas dos pratos servidos.

Apesar da pompa do evento e da mesa faraônica,  era impossível deixar de notar a amargura de muitos dos convivas. Por entre as ataduras, viam-se lágrimas nos olhos do sr. Maciel,  antigo democrata da UDN.  Todos  lamentavam o tratamento indecoroso dado pelas multidões nas ruas do Cairo ao Filho de Amon-Rá (no caso, o faraó).

Ao longo de sua carreira, o sr. Maciel cultivou boas relações com todas as 30 dinastias do Egito.

Após o jantar, o clima era de congraçamento. Brindes eram erguidos e vários discursos foram feitos. Em seu discurso, o Maior dos Filhos da Mooca saudou o Faraó dizendo que na Caverna do Ostracismo ele encontraria a solidariedade dos verdadeiros democratas e amantes da liberdade de expressão.

O ex-sábio FHC resolveu discursar em francês sobre as virtudes de seu governo e do sucesso de sua política para o Oriente Médio, lembrando que, enquanto governou, o Egito era o paraíso terrestre, mas bastou o PT assumir o governo para a baderna se instaurar.

A sra. Soninha Copélia tentou ir vestida a caráter, mas na hora não aguentou.

Sempre cheio  de esperança, o sr. Geraldinho do Vale declarou ter fé de que, em breve, o Pres. Zezinho assumirá a presidência do Brasil e o Faraó voltará a governar com sabedoria o Vale do Nilo.

Disputa

O grande ausente na recepção foi o sr. Tancredo Neves, que foi visto, no mesmo momento, jogando uma partida de futevôlei com o Deputado Federal Romário (PSB-RJ) nas areias de Copacabana.  O faraó minésio alegou que estava discutindo com o deputado de seu estado os problemas da gente de Minas, mas vários  udenistas atribuíram a ausência a uma disputa com o pres. Zezinho. O Almirante do Tietê teria atropelado a iniciativa do sr. Tancredo e roubado o ilustre hóspede, pois o sr. Tancredo teria oferecido ao Faraó do Egito estabelecer-se na sua Pirâmide Administrativa neste momento de transição.

No entanto, a paz continuar reinando na UDN pois, segundo o jornalista Merdoval Pedreira, esta versão seria totalmente descabida.

Comentário da tia Carmela

QUADRILHA: Na recepção, a quadrilha da UDN apresentou-se mais uma vez com muito sucesso.

Essa Caverna do Ostracismo tá ficando muito cheia.  Quando era criança, ele costumava brincar de pirâmide. Pegava umas caixas de madeira e papelão e aontoava, e dizia que era uma pirâmide com um labirinto. Uma vez, ele juntou muita caixa, e fez uma pirâmide enorme em um terreno baldio perto da casa dele. Chamou os moleques para brincar de pirâmide e, quando estavam todos lá dentro, mandou o Reinaldinho Cabeção dizer pra eles que o Zezinho, que era o faraó daquela pirâmide, estava cobrando o pedágio e cada um tinha que dar dois cruzeiros para poder brincar ali. Os moleques ficaram muito bravos e deram umas bordoadas no Reinaldinho Cabeção. O Zezinho, como sempre, se mandou. No dia seguinte, o Reinaldinho Cabeção encontrou o Zezinho na escola e falou: “Puxa, Zezinho, esses moleques são muito ignorantes. Como alguém pode ser contra pagar pedágio?”


Francine De L’Herbe agora dedica-se ao bordado e ao crochê

09/02/2011

Mme. De L'Herbe sempre gostou de uma vida mais relaxada.

O Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro pres. Zezinho, não pode mais contar em sua equipe com a jornalista Francine De L’Herbe, sua antiga e dileta colaboradora, que recusou-se a assumir a coordenação do Mutirão de Mucamas, alegando ter outras prioridades no momento.

O Presidente de Nascença anda acabrunhado com a estranha decisão de Mme. De L’Herbe de dedicar-se, por razões ainda ignoradas, às artes manuais.

Mme. De L'Herbe fez um belo capacete de crochê para proteger o pres. Zezinho das bolinhas de papel assassinas.

Francine De L’Herbe agora passa os dias em seu ateliê na Caverna do Ostracismo,  fazendo os mais diversos artefatos à base de fibras e outros materiais derivados do cânhamo.

Seus principais fregueses são os vizinhos na Caverna do Ostracismo. Além dos panos de prato, ela produz também toalhinhas para aparar baba, um sucesso no Retiro do Udenista, forros para as gaiolas das aves de estimação do pres. Zezinho (araponga e tucano verde) e capas de crochê para selins de bicileta para seus amigos ciclonudistas.

Nos fins de semana, Mme. De L’Herbe arruma mais algum vendendo seus artefatos em uma barraquinha na feira da Praça da República.

QUERIDINHA: Mme. De L'Herbe agora é a musa da Praça da República.

Segundo fontes lapeanas que não quiseram se identificar, o sr. Geraldinho do Vale teria arrumado a vaga na feira para Mme. De L’Herbe, o que justificaria as reuniões frequentes que têm feito e o interesse do Barão de Pindamonhangaba nas artes manuais praticadas pela  ex-jovem.

Essa aproximação estaria causando desconforto no Maior dos Filhos da Mooca. Comenta-se na Caverna do Ostracismo que o Presidente de Nascença ficou enciumado por essa proximidade entre seu muy amigo Geraldinho do Vale e sua musa da internet ética.

Mme. Francine De L'Herbe fez um belo tapete de cânhamo para o pres. Zezinho, mas ele ainda prefere o Reinaldinho Cabeção.

Mme. De L’Herbe, no entanto, nega que tenha deixado de lado a profunda amizade com o Almirante do Tietê. Ela comentou com amigos da ala descolada da UDN que continua gostando muito dele, mas tem que levar sua vida adiante: “Larguei tudo por causa do Zezinho. Ele me prometeu mundos e fundos no ano passado, e tudo que eu ganhei foi aparecer em um vídeo sem maquiagem e com cara de menina emburrada na internet. O Geraldinho do Vale é meio careta, mas pelo menos me deu uma oportunidade de reconstruir minha vida.”

Corre nos meios udenistas a informação de que Francine De L’Herbe convidou o pres. Zezinho a juntar-se a ela nessa nova fase, dizendo que agora vive sempre relaxada, e que ele deveria fazer o mesmo, para baixar o stress. Entretanto, o Maior dos Brasileiros teria respondido que tem muitas contas a acertar e não tem tempo para essas coisas de bicho-grilo.

Faz tempo que o Barão de Pindamonhangaba anda de olho no blog dela.

Apesar desta sua nova fase, a petista arrependida continua com a atividade que lhe deu mais notoriedade no meio político nacional.  À noite, depois de um último trabalho com materiais à base de cânhamo, ela segue com sua atuação no ramo de produtos químicos perigosos, destilando veneno em seu blog moderninho a serviço do pres. Zezinho.

No entanto, consta que o sr. Geraldinho do Vale anda de olho no blog dela.

Comentário da tia Carmela

QUADRILHA: Mme. De L'Herbe está bordando os vestidos para a próxima festa junina da UDN.

O Zezinho sempre gostou de artesanato. Naquele tempo, brinquedo era muito caro, não é como hoje que as crianças ganham um monte de brinquedos toda semana. As crianças faziam elas mesmas seu brinquedos, na maior parte das vezes. O Zezinho não era diferente: ele gostava de organizar um dia para os moleques da turma dele fazerem uns brinquedos. Na hora, começava todo mundo a fazer os brinquedos: carrinhos de lata e de carretel, pipas, espingardas de madeira, essas coisas.  Só que o Zezinho não fazia nada, só ficava dando ordens. Uma vez, ele fez isso e, no final, quis pegar pra ele um tratorzinho de lata que um moleque tinha feito. O moleque ficou furioso, disse não e quis bater no Zezinho. Deu a maior confusão e foi todo mundo embora, só ficaram o Zezinho e o Reinaldinho Cabeção, que disse pro Zezinho: “Se você quiser, eu faço um trator igualzinho ao dele pra você”.  O Zezinho pegou o trator que o Reinaldinho Cabeção tinha feito e disse: “Vou ficar com este, mesmo. É uma porcaria, mas você não vai conseguir fazer melhor”. O Reinaldinho Cabeção ficou todo feliz porque o  Zezinho quis o tratorzinho dele.


Carnaval da UDN: deputado-mirim é novo líder da ala das baianas

05/02/2011

O pres. Zezinho gostou da nova fantasia do deputado-mirim.

O Mais Preparado dos Brasileiros, o futuro pres. Zezinho, segue sendo bem sucedido em seu generoso trabalho de pacificação e fortalecimento da UDN em todo o Brasil.

Nesta semana, o Presidente de Nascença obteve uma nova vitória. Mais um importante cargo de direção da UDN foi preenchido em clima de harmonia, paz e congraçamento.

Desta vez, tratou-se da escolha do novo líder da ala infantil das baianas da Escola de Samba Unidos da UDN, importante agremiação político-carnavalesca de Higienópolis.

Tancredo Neves (direita) está fazendo tudo para levar o efebo para conhecer sua pirâmide administrativa em BH.

O escolhido foi o deputado-mirim TPM Nato, ainda jovem, porém um quadro importante no udenismo soteropolitano. O portátil udenista fez carreira no circuito Barra-Ondina, e agora pretende continuar a fazer carreira na Unidos da UDN.

Essa preocupação com uma boa carreira o aproximou do faraó minésio, sr. Tancredo Neves, que compartilha com TPM Nato os mesmos ideais de carreira.

Reações

Quem não gostou muito da escolha do efebo-udenista foi o pitta de estimação do Almirante do Tietê, que queria que um amigo seu fosse o novo líder da ala infantil das baianas.

A velha guarda da UDN também abençoou a candidatura do precoce líder das baianas impúberes.

Preocupado com seu pitta de estimação, que tem ameaçado fugir de casa, o pres. Zezinho chegou a pensar em usar a confiança e respeito que desfruta entre seus colegas udenistas para intervir na eleição. Mas, em nome da unidade da UDN, preferiu abençoar o escolhido e comprar uma coleira mais forte para seu pet.

Segundo fontes próximas, o Maior dos Filhos da Mooca teria declarado, durante partida de bocha no Retiro do Udenista (sito à Caverna do Ostracismo, fundos),  que apoiou o deputadinho  em nome da unidade da UDN, mas que pessoalmente estava triste.

Na verdade, o pres. Zezinho estaria meio enciumado, pois teria comentado: “no ano passado, esse moleque passou o carnaval comigo, em Salvador; agora, já está fazendo a maior folia com o Tancredo…”

Comentário da tia Carmela

QUADRILHA: A ala infantil da UDN comemorou a eleição do minideputado com uma festa junina em um buffet infantil da V. Madalena.

O Zezinho sempre gostou de baiana. Quando era criança, uma vez ele viu um livro sobre tipos folclóricos brasileiros e gostou das baianas quituteiras. Aí ele teve uma idéia. Pediu para a mãe dele fazer um bolo. E convenceu o Reinaldinho Cabeção a ficar na rua vendendo os pedaços do bolo, dizendo que eram quitutes baianos. Arrumou uma tábua de tabuleiro e mandou o Reinaldinho Cabeção se enrolar em uns lençóis e panos brancos, como se fosse uma baiana. Não chegou a vender nada, porque uns moleques passaram na rua e viram o Reinaldinho Cabeção de baiana e começaram a gozar da cara dele. O Reinaldinho Cabeção falou para os moleques:  “mas foi o Zezinho quem mandou…”, e aí eles riram mais ainda, e tomaram o bolo do Reinaldinho Cabeção, que voltou chorando pra casa enquanto o Zezinho ficou de longe gargalhando. No dia seguinte, o Reinaldinho Cabeção foi procurar o Zezinho e disse: “Zezinho, quer que eu me vista de baiana novamente e a gente tenta vender outro bolo?”